O ómega 5 é um ácido gordo polinsaturado, o ácido punicico, relativamente desconhecido, mas com uma capa- cidade antioxidante, incrivelmente superior quando comparada com outros ácidos gordos. A maioria dos ácidos gordos pode ser sintetizada pelos mamíferos a partir dos hidratos de carbono da dieta. No entanto, existem dois, o ácido linoleico e o ácido alfa linoleico, que não podem ser sintetizados de forma endógena, mas são necessários para o normal funcionamento do organismo. Participam em funções de manutenção da integridade das membranas celulares, assim como na produção de prostaglandinas que regulam muitos processos corporais, a inflamação, a coagulação do sangue, entre outros.
Estes ácidos gordos essenciais têm de ser obrigatoriamente ingeridos, porque não os conseguimos sintetizar. O ómega 5 é um derivado conjugado do acido linoleico. Esta alteração molecular confere-lhe um poder antioxidante muito superior.

 

Onde encontramos o ómega 5?

roma_278x170O óleo das sementes de romã̃ é a principal fonte de ómega 5. O seu poder oxidante é muito superior ao de outros ácidos gordos polinsaturados. Por outro lado, a alta concentração em fitonutrientes antioxidantes coloca também a romã no primeiro lugar do ranking dos alimentos antioxidantes, muito à frente dos frutos vermelhos, do chá́ verde, da maçã ou do melão. Na verdade, a romã tem um poder antioxidante cinco vezes superior ao chá́ verde e mais do dobro do extrato de uva.
 Além do ácido punicico (ómega 5) e de outros ácidos gordos polinsaturados, a romã é rica em ácido elágico, e noutras moléculas muito ativas como os flavonoides, as antocianinas, os fitoesterois, muitas vitaminas e oligoelementos (como o selénio, o ferro e o cobre).
Esta concentração faz da romã o melhor antioxidante natural, diz Seeram, da Universidade da Califórnia, EUA.
 Para além da romã, encontramos ómega 5 no azeite, no óleo de linhaça, no krill, no óleo de peixe, no óleo de soja, no óleo de milho e no óleo de girassol.

Efeito Anticancerígeno

Existe um caminho ainda por desvendar que se prende com a ação protetora no cancro da mama. Se consultar o Pubmed, encontra publicados vários artigos que associam o acido punicico, ou seja, o ómega 5 com antioxidantes, a uma ação inibidora da proliferação do cancro de mama.
 Está provado que o ómega 5 inibe em 60% a 80% a atividade da aromatase, uma enzima responsável pela manutenção de níveis altos de estrógeno. A inibição da atividade desta enzima pode ajudar no combate ao cancro de mama e na manutenção dos níveis de testosterona.

Capacidades antioxidantes em mm Trolox/ Kg de óleo
Óleo da semente de romã – Ómega 5 ————–12
Azeite – Ómega 9 ————- 1,79
Óleo de Linhaça – Ómega 3 ————–0,26
Krill – Ómega 3 ————–0,114
Óleo de Peixe – Ómega 3 ————-– 0,043
Óleo de Soja – Ómega 6 –———— 2,2
Óleo de Milho – Ómega 6 – ————1,29
Óleo de Girassol – Ómega 6 – ———-1,17

Existem estudos que revelam a capacidade do óleo de romã na inibição da proliferação de células do cancro da mama, assim como na inibição da capacidade invasiva destas células em cerca de 75%.
Um ensaio clínico de fase II, realizado por Patuck, da Universidade da Califórnia, nos EUA, inclui um total de 48 pacientes submetidos a cirurgia ou radioterapia da próstata, que tiveram um aumento de antigenes prostáticos (marcador específico para problemas celulares prostáticos). Durante um ano, incluíram extrato de romã na sua alimentação e foram submetidos a controlos analíticos de 3 em 3 meses. O resultado provou que o extrato de romã reduziu consideravelmente a taxa de aumento dos antigénios prostáticos. Esta descoberta está relacionada com o retardar da progressão da doença.
Simultaneamente, estudos em ratos demonstraram também a capacidade que o óleo de sementes de romã tem na inibição do desenvolvimento de cancro do cólon, quando foram submetidas a azoximetano (indutor de tumores do cólon), em comparação com o ácido linoleico conjugado (CLA).

 

Benefícios do Ómega 5

Dica!
Se tiver possibilidade, beba todos os dias, pelo menos, 30 ml de sumo de romã, já́ que tem um efeito protetor muito importante. Mas o ideal é comer 4 romãs por dia, o correspondente a 2000 bagas.
Mas temos um problema: Não é viável comer 4 romãs por dia, até́ porque é um fruto sazonal e, portanto, não está disponível durante todo o ano.
 A boa novidade é que
 já́ saiu para o mercado a primeira romã em comprimidos!
 Cada cápsula tem 2000 sementes de romãs biológicas cultivadas sem pesticidas, herbicidas, nem produtos químicos tóxicos! Imagine a poder desta pérola.

Efeito Antienvelhecimento
Estimula em 58% a formação de colagénio que ajuda na firmeza e resistência da pele
Estimula 48% a elastina que evita a flacidez da pele
Estimula 20% a telomerase conhecida como a enzima do antienvelhecimento

Efeito Antioxidante
As moléculas antioxidantes desempenham um papel fundamental na proteção dos danos celulares causados pelos radicais livres. Os radicais livres são moléculas muito reativas, com excesso de eletrões e que tendem a transferi-los para outras moléculas receptoras. Este processo de stresse oxidativo causa danos irreversíveis em muitas moléculas, inclusivamente no ADN, nas membranas celulares lípidos, lipoproteínas. A romã é o antioxidante mais potente.

Efeito Cardiovascular
O ómega 5 da romã melhora o perfil lipídico (diminui triglicerídeos e colesterol do plasma) e diminui a formação de placas de ateroma. Tem também um efeito benéfico na sensibilidade à insulina.

Efeito Anti-inflamatório
O estado inflamatório é uma resposta positiva do sistema imunitário causada pelos danos nos tecidos. Se esta situação se mantiver muito tempo, há́ um excesso de substâncias mediadoras de inflamação que podem causar danos celulares. Esta alteração imunitária pode levar a doenças crónicas inflamatórias como artrite reumatoide, doença inflamatória do intestino, entre outras. Os compostos existentes na romã têm uma ação sinérgica que conduz à diminuição dos processos de inflamação de baixo grau.

Leave a comment