O que é Inflamação Crónica

Apesar de conotada negativamente, a inflamação é um processo de defesa natural do organismo. A resposta inflamatória ocorre apenas em tecidos conjuntivos vascularizados e surge com o objetivo de defender, de isolar e destruir o agente nocivo e/ou reparar o tecido ou órgão lesionado. No entanto, a inflamação deve ser limitada ao período de tempo necessário para resolver o problema, para que o corpo possa encontrar o processo de cura.

A inflamação aguda e crónica e inflamação cronica têm impactos na sua saúde completamente diferentes. A aguda é benéfica, por exemplo inflamação aguda que aparece em consequência de um traumatismo é benéfica e faz parte do processo curativo. É por isso importante tomar o mínimo possível de anti-inflamatórios, de modo a permitir que a lesão se solucione e não dê sinais mais tarde.

O problema surge quando a inflamação é mantida, alterando o metabolismo do corpo, desequilibrando o sistema imunitário e que está na origem de muitas doenças.

Porque surge inflamação

A inflamação cronica e inflamações de baixo grau surgem então por falha na resolução da inflamação aguda, presença de patógenos ou corpos estranhos. A exposição crónica a fatores desencadeantes é uma das principais razões:

Fatores ambientais, má alimentação (défice em nutrientes e excesso de substancias tóxicas), toxicidade, poluição eletromagnética, stresse e a forma como vivemos, infeções silenciosas, desequilibram o nosso terreno, tornando-o inflamado de forma crónica. Estes fatores ativam numerosas vias inflamatórias, levando a um estado de inflamação crónica. Libertam-se A mediadores inflamatórios como citoquinas, prostaglandinas, leucotrienos, fator ativador de plaquetas, espécies reativas de oxigeno, óxido nítrico, responsáveis pelas respostas inflamatórias relacionam-se com respostas imunitárias alteradas.

O que nos acontece quando estamos demasiadamente expostos a fatores desencadeantes?

  1. Carências diversas (défices hormonais, gordura, aminoácidos etc)
  2. Resistência periférica à insulina – Diabetes, Défices (vit D, vit B) ; Obesidade
  3. Défices em minerais (Zn, Cu, Ferro, Cálcio, Magnésio, fósforo)
  4. Sistema nervoso (alterações do sono, estados depressivos)
  5. Alterações do aparelho digestivo
  6. Intoxicações, disfunção mitocondrial
  7. Oxidação e stresse oxidativo. Degeneração

Alteração destes fatores leva a desequilíbrios nos terrenos metabólicos que conduzem a inflamação e por sua vez a DOENÇA

 

Quais as doenças?

  • Degenerativas (Alzheimer, Parkinson, entre outras)
  • Autoimunes
  • Cancros
  • Doenças metabólicas (Aterosclerose, AVC, enfarte, obesidade, diabetes)
  • Doenças intestinais
  • Psico e neurológicas – depressão, insónia, perturbações de sono, fadiga crónica e distúrbios neurológicos
  • Osteoarticulares, sarcopenia
  • Diabetes, obesidade
  • Dermatites, alergias, urticárias
  • Síndrome pré menstrual

Como avaliar

– Sintomatologia (sintomas persistentes, repetitivos, em lados diferentes do corpo)

– Através de questionários que relacionam sintomas com possíveis desequilíbrios

– Analiticamente – perfil de gordura, PCR us, teste Homa, Lipoproteína (Lp), ferritina, hemograma, etc

– Testes epigenéticos

– Avaliação por Bio ressonância

 

Como prevenir

– Corrigir, reduzir ou eliminar a exposição

– Eliminar os trigger points (alimentos, tóxicos, infeções, stress, poluição eletromagnética)

– Correção dos terrenos biológicos

– Dieta anti-inflamatória personalizada

 

Alimentos a privilegiar

  • Introduzir alimentos ricos em ácidos gordos ómega 3 e antioxidantes

– Açafrão, alho, cebola, gengibre, peixes gordos, gorduras saudáveis, óleo de coco, azeite, frutos secos, abacate, ovos, sementes, vegetais de folhas verdes e crucíferas, frutos vermelhos.

  • Retirar alimentos pró inflamatórios

– Refinados, açúcar e hidratos de carbono, excesso de carne, gorduras Trans, industrializados, aditivados.

Fitoterapia

Alguns princípios ativos têm a capacidade de modelar as 2 maiores vias de metabolização de substâncias pró -inflamatórias: a via cicloxigenase e a 5-lipoxigenase, contribuindo assim para a redução da inflamação.

  • Curcuma Longa (açafrão) – com ação moduladora da inflamação, atuando na COX-2, LOX, IL-1, IL-10, nos ROS, metaloproteases (1)
  • Boswelia Serrata – com ação moduladora de 5-LOX e da expressão de TNF-a (2)
  • Harpagófito – inibe a COX-2, sem inibir a COX-1 e atua na PGE2, TNF, IL-1, IL-6 (3)
  • Matricária Camomilla – propriedades anti-inflamatórias por inibir a COX-2 e não a COX-1. Para alem disso a contem quercetina que pelas suas propriedades anti-histamínicas torna-se util na inflamação articular.

Alexandra Vasconcelos

Medicina natural integrativa e anti envelhecimento

Clínicas Viver

Kunnumakkara AB, Bordoloi D, Padmavathi G, Monisha J, Roy NK, Prasad S, et al. Curcumin, the golden nutraceutical: multitargeting for multiple chronic diseases. Br J Pharmacol [Internet]. 2017 Jun [cited 2019 Jan 24];174(11):1325–48. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27638428

Ammon HPT. Boswellic Acids and Their Role in Chronic Inflammatory Diseases. In: Advances in experimental medicine and biology [Internet]. 2016 [cited 2019 Jan 24]. p. 291–327. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27671822

Di Lorenzo C, Dell’agli M, Badea M, Dima L, Colombo E, Sangiovanni E, et al. Plant Food Supplements with Anti-Inflammatory Properties: A Systematic Review (II). Crit Rev Food Sci Nutr [Internet]. 2013 Jan [cited 2019 Jan 24];53(5):507–16. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23391017

Pahwa, R and Jialal, I.(2018) Chronic inflamation. In Stat Pearls. TreSURE Island (FL):        StatPearls Publishing Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/boocks/NBK493173/

Krysko, D.V; Agostinis, P; Krysko, O; Garg, A.D; Bachert, C; Lambrecht, B.N and Vandenabeele, P. (2011) Emerging role of damage-associated molecular patterns derived from mitochondrial in inflammation. Trends in Immunology April 2011; 32(4): 157-164

Calder, P.C; Ahluwalia, N; Brouns, F; et al. (2011) Dietary factors and low grade inflammation in relation to owerweight and obesity. Br. J. Nutr. 106:S1-S78

 

Leave a comment